08 novembro 2012

Sentimentos de mãe


Assim como por um milagre nos tornamos mãe, sentimos aquele serzinho na nossa barriga crescer, temos inseguranças em relação a esse serzinho maravilhoso, será que vou dar conta? Será que serei uma boa mãe? Será?
Pois bem não é preciso ser mãe biológica para ter essa insegurança, quem adota também passa por isso e até mais que as mães biológicas.A cabeça da mulher passa por um turbilhão de sentimentos, se não formos fortes e guerreiras ficamos no meio do caminho e não podemos porque temos alguém que depende totalmente de nós.
O amor é tão imenso quando temos o nosso filho que não cabe no peito e sinceramente amamos tanto que até dói o nosso peito.
Quando pequenos ensinamos a dar os seus primeiros passos, quando cresce um pouquinho ensinamos a andar de bicicleta, quando aprendem a voar sozinhos voltamos a ficar inseguras. Será que meu filho fará uma boa escolha? Será que vai ser feliz? O que eu faço?
Na verdade ainda não sei e estou morrendo de medo do futuro tão injusto, fui e sou uma boa filha e peço todos os dias para Deus que meus filhos nunca se esqueçam de mim, vou sempre estar na torcida para que eles sejam muito felizes e tenham a vida longa... voa passarinho... voa... mas por favor não vá tão longe pois a sua mãe já está aqui querendo que você volte. 
(google imagens)
Quero uma opinião de vocês, será que existe um modelo ideal de mãe?
 Muitas vezes, constrói-se o ideal de mãe perfeita daquela que não erra. Mas o que seria positivo para a criação do nosso filho? 
Ter o equilíbrio para cuidar dele, para protegê-lo, para educá-lo, para apoiá-lo, para prover-lhe as necessidades físicas, materiais e afetivas. 
Dar o consolo necessário, estar sempre disponível e disposta a conversar, ser amiga ou seja a entender ou a colocar-se no lugar dos nossos filhos e do seu momento de vida.
É necessário que saibamos nos observar para não transferirmos as experiências negativas vividas em nossa formação para a formação de nossos filhos, devemos falar para os nossos filhos ouvirem e ouvirem o que nossos filhos falam.
 Recusar os sinais que é lhe dado, desconfiar, não dar atenção as coisas que eles falam, não os ajudam em nada. 
É importante que saibamos ensinar, mas que também saibamos confiar e dar autonomia e possibilidade para que nossos filhos amadureçam como pessoa.
 Estar bem emocionalmente contribui para o crescimento e o desenvolvimento saudável de nossos filhos do ponto de vista psicológico. 
Aqui uma observação especial para as nós mães, cuide dos outros, mas também cuide de si. Viver em harmonia com sua dimensão espiritual, afetiva, social, biológica, é essencial para que possamos cuidar bem dos outros e consigamos lidar com as alegrias, tristezas, conquistas e dificuldades próprias da vida. Lembre-se de que, em primeiro lugar, a mulher, e com isso, toda a beleza do ser mulher virá com esses cuidados, que depois se farão extensão ao cuidado com o outro, com seu marido, com os filhos e assim por diante
 Nós mães aprendemos a todo momento: desde o choro do bebê que identifica fome ou dor, aprendemos também a ligação íntima e profunda que têm com nossos filhos. Aprendemos pela experiência do ser mãe e, sendo mães, reformulamos, superamos e vivemos positivamente a nossa vida. 
Ser mãe é ser a todo tempo, a toda hora, sem limites dos nossos filhos!

Mamãe Valéria Sandry


12 comentários:

  1. Lindo mesmo viu. Só um coração de mãe mesmo!!! Cris

    ResponderExcluir
  2. Valéria, amiga, acho que esse negócio de mãe perfeita nem deve ser cogitado, se nós seres humanos somos imperfeitos, como podemos ser mães perfeitas???
    Acho que podemos e devemos reconhecer nossos erros (quando o fazemos) pois estamos ensinando os nossos filhos a fazerem os mesmo!

    Mãe quer sempre está por perto, protegendo, mas se não deixarmos eles voarem, como saberão voar quando chegar a hora!
    Tem que ter muita fé em Deus, ensinar e mostrar na prática como as coisas funcionam! Acho que só assim, podermos colher bons frutos!

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Me emocionei Val, lindo post. Quando penso que em alguns anos ele terá que "voar" para longe de mim (ir pra aula, ir na casa dos amiguinhos, ...) já me aperta o peito. Eu descobri com o nascimento dele o amor e como dói né???

    Bjs

    http://matheusmeucoracao.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Aprendi com a minha mãe e tento fazer o mesmo para a Lara: amor de mãe está numa comidinha gostosa, num brincadeira divertida, num chamego pra dormir, num colinho pra parar o choro. Simples, mas eficiente! BeijoBeijo. Andrea e Lara. http://coisas-da-lara.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Mãe perfeita acredito que não exista, o que existe somos nós que fazemos o possivel para fazermos nossos pequenos felizes e saudaveis.

    Sou humana e sei que as vezes erro, mas cada erro é uma tentativa para o acerto e na proxima já sei como agir e o que pensar.

    beijos

    ResponderExcluir
  6. Que post lindo, amiga!
    Devemos nos unir e quebrar esse mito de MÃE PERFEITA. Isso não existe e todas as (futuras)mães devem ter isso em mente. Erramos porque tudo é novo, não importa que esteja no 5º filho: cada bebê é ÚNICO!
    É errando que a gente aprende e melhora.

    O ideal é seguirmos nossos instintos e termos em nossa mente que somos as melhores mães que podemos ser!
    ;)


    Beijos!!!!!

    ResponderExcluir
  7. Ai q lindo!!
    Ah num fala em voar não dá logo um aperto...
    Concordo com a Ivna não somos perfeitos, mães perfeitas então: Nunca!
    Ótimo post, bjs
    http://cphilene.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  8. adorei!!! não existe fórmula perfeita, temos que seguir mesmo nosso coração, o amor de filho é incondicional, achei perfeito qdo vc disse que precisamos estar bem para darmos estrutura aos nosso filhos. Quando eu estava naquela fase dificil (voce sabe qual é) tudo que eu sentia refletiu no comportamento da minha princesa, conforme fui lidando melhor com a situação ela também conseguiu., bjos amiga

    ResponderExcluir
  9. Acho que não existe mãe modelo, mas uma mãe que ama o filho já é um grande caminho andado. Beijo

    ResponderExcluir
  10. Amiga acredito que não existe um modelo específico, afinal educação também está ligada a cultura, cada povo tem a sua, então creio que o importante é respeitar o limite de cada um, tanto mãe como filhos! Com amor e compreensão tudo dar certo...fora o nosso coração de mãe, ele já est´pronto para educar, só precisamos aprender a ouvi-lo! Bjo
    Amei o post!

    ResponderExcluir
  11. Nossa Valéria que lindooooo adorei.

    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Que lindo post amigaaa!!!

    Eu fiquei morrendo de medo de sair da maternidade ... ai jesus... heheheehe. Lá todo mundo me dava apoio e me mostrava o certo a ser feito .. em casa quem poderia me orientar? meu marido? kkkkkkkk .. tadinho ficava mais nervoso que eu, mas não recuava, com muita coragem e valentia me ajudou desde o primeiro banho até hoje ... amo e no mais estamos sempre aprendendo e lutando contra nossos medos e dúvidas né ... rssr .. bjs

    ResponderExcluir
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...